Uma aula de musicalidade

O CD ‘Piano’, lançado pela gravadora Lua: peças assinadas por Pampani,
Zipoli, Galuppi e Legati, com a versatilidade de Mastrogiovanni

Attilio Mastrogiovanni, pianista carioca vivendo em São Paulo há três décadas, dá uma autêntica aula de musicalidade em seu novo disco, Piano, lançado pela Gravadora Lua.
Em um inesperado e muito interessante repertório, que reúne obras pertencentes a vários períodos da história da música, ele exibe a versatilidade do seu enorme talento. O intérprete abre o programa com uma série de miniaturas cheias de encanto, pertencentes ao século 18 italiano. Ele executa, com extraordinária clareza de dicção, peças assinadas por Pampani, Zipoli, Galuppi e Legati, quase todas inéditas em gravação. Aí ele explora as múltiplas possibilidades de um instrumento que é, no fundo, de percussão, para concretizar os decantados e vocal cantabile peninsular.
Para abordar o romantismo nascente da Fantasia Opus 28, de Mendellsohn, Attilio dá a impressão de trocar de instrumento. De início, emprega o seu potencial de suavidade para, logo em seguida, fazer o sonoro Steinway rebrilhar nas cores de uma profunda, ainda que contida, paixão.
Avançando em direção ao final do século 19, Mastrogiovanni apresenta uma suntuosa leitura da Sonata n.º 1, Opus 6, do russo Alexander Scriabin. A obra requer técnica transcendental e efetiva afinidade com essa linguagem pós-romântica e fim-de-século, algo que o nosso intérprete tem de sobra.
O ponto mais alto desse disco que só tem pontos altos encontra-se na execução da Sonata para piano n.º 1, Opus 22, que o argentino Alberto Ginastera compôs em 1952. Attilio Mastrogiovanni a realiza com feroz precisão rítmica, não se esquecendo nunca de enunciar com vigor as peculiares linhas melódicas. O brilho virtuosístico do pianista atinge altas paragens e, infalível, extrai dessa difícil partitura atmosferas expressivas variadas ao extremo. No movimento “lento e muito apaixonado”, consegue passar a impressão de estar flagrando as constelações do espaço infinito.
Uau, é toda uma inesquecível experiência.

 


  • Publicação: Jornal da Tarde (São Paulo / SP – Brasil)
  • Data: Sexta-feira, 16 de fevereiro de 2001
  • Título: Uma aula de musicalidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *