Dois pianos unem as Américas Marcelo Bratke e Marcela Roggeri

‘The Open Prairie’: harmonia marca a participação dos dois pianistas

 

Utilizando dois pianos, o brasileiro Marcelo Bratke e a argentina Marcela Roggeri estabelecem um animado diálogo com a música do compositor norte-americano Aaron Copland (1900 -1990). Este, por sua vez, alcançou fama internacional graças a duas obras inspiradas pela arte de dois países ao sul do Rio Grande: El Salón Mexico e Danzón Cubano.

Durante sua longa e muito produtiva existência, Aaron Copland foi considerado figura-chave da música dos Estados Unidos. Filho de imigrantes judeus-russos, ele se aperfeiçoou em Paris, com Mademoiselle Nadia Boulanger. Ali conheceu o neoclassicismo de Stravinsky, a politonalidade de Milhaud e a experiência serial de Schoenberg.

De volta ao seu país com uma heteróclita bagagem musical, Copland demorou um tanto até descobrir o seu próprio estilo. Este aflorou de maneira notável nos balés que escreveu nas décadas de 30 e 40: Billy the Kid, Rodeo e Appalachian Spring. Ritmos marcados, melodias de recorte claro, harmonias tonais e apimentadas, além de uma orquestração feita com cores fortes, são as marcas distintivas da sua linguagem.

Neste CD intitulado The Open Prairie, Bratke e Roggeri, ambos radicados em Londres, executam transcrições para dois pianos de algumas das mais famosas obras para orquestra de Copland. Entre elas estão a suíte de Billy the Kid, dois movimentos de Rodeo, El Salón Mexico, Danzón Cubano, Danza de Jalisco e Variations on a Shaker Melody.

Nas transcrições, perdem-se as rebrilhantes cores que Copland empregou em suas orquestrações originais. Em contrapartida, nessa operação que a despoja dos timbres instrumentais, sua música ganha uma clareza extra. Ouvindo-a nessas versões pianísticas, sente-se a vontade firme de um músico que desejou aliar informações modernas (Stravinsky e Milhaud) e o mundo algo arcaizante das melodias de caubóis, índios e dos povos que a política de boa vizinhança de Roosevelt procurava agradar.

Marcelo Bratke e Marcela Roggeri são excelentes pianistas. Neste seu projeto em conjunto para a etiqueta holandesa Et’Cetera (CD disponível nas lojas que trabalham com importados), parece ter a cara do outro. Tocam de maneira tão unânime que é quase impossível dizer “quem é quem”. Animação e sutileza, lógica no encadeamento das ideias e expressividade dão-se as mãos em suas límpidas leituras. (E na capa do disco há a reprodução de uma linda aquarela assinada por Mariannita Luzzati).

Billy The Kid
1 The Open Prairie 3:10
2 Street In A Frontier Town 4:23
3 Billy And His Sweetheart/Mexican Dance 3:24
4 Celebration After Billy’s Capture 2:28
5 Billy’s Demise 1:18
6 The Open Prairie Again 1:35

7 Danzon Cubano 6:57

8 Variations On A Shaker Melody 5:29

9 Danza De Jalisco 3:56

10 Dance Of The Adolescent 6:05

Two Movements From Rodeo
11 Hoe Down 3:10
12 Saturday Night Waltz 3:55

13 El Salon Mexico 9:23


  • Publicação: Jornal da Tarde (São Paulo / SP – Brasil)
  • Data: Sexta-feira, 2 de julho de 2000
  • Título: Dois pianos unem as Américas: Marcelo Bratke e Marcela Roggeri

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *