Retrato de um artista sempre jovem

O francês Pierre Boulez – compositor, regente, polemista, teórico e criador do Instituto de Pesquisa Acústica-Música e do Ensemble InterContemporain – fez 75 anos em março passado. Na Europa e nos Estados Unidos, a data foi comemorada com vários concertos dedicados a obras suas.  E a gravadora para a qual trabalha, a Deutsche Grammophon, lançou um CD, The Artist’s Album, com 14 seleções do seu repertório e um belo livreto de 40 páginas.  Esse álbum é um verdadeiro “item de coleção” para todo o bouleziano convicto.

Há meio século, Boulez estava na vanguarda da composição musical.  Seu Le Marteau sans Maître (1954-56) tornou-se obra-chave dessa que foi a mais revolucionária tendência estética da história musical.

Começando a reger por considerar a música moderna mal tocada, acabou por se transformar em um dos mais discutidos e importantes maestros do nosso tempo.

Gravando para várias etiquetas até a década de 1980 (Sony Classical, Erato e EMI, dentre outras), ele depois assinou um contrato com a Deutsche que dá a ele o direito de gravar quando e o que quiser. Nessa nova fase, já registrou mais de 40 discos diante de orquestras do porte das Filarmônicas de Berlim e Viena, das Sinfônicas de Boston e Chicago, e das Orquestras de Cleveland e do Concertgebouwn.

Seus compositores prediletos estão todos aí: Debussy, Ravel, Berlioz e Messiaen, para a música francesa; Schoenberg, Berg e Webern, da Segunda Escola de Viena.  E mais: Bartók, Stravinsky, Ligeti e Wagner e, bem recentemente, Mahler, Bruckner, Strauss e Scriabin.

O Boulez-regente é a lucidez encarnada em intérprete. Tudo o que ele toca é transformado em clareza estrutural, em brilho sonoro e em expressividade viva, mas jamais exagerada. Cada obra que aborda nos é mostrada como se fosse pela primeira vez, tal a carga informativa que costumam ter suas leituras.

Para Boulez, também a regência é uma aventura, uma aventura planificada. São especialmente notáveis em suas interpretações o refinamento emprestado a Ravel e Debussy, a incandescência dada a Bartók e Stravinsky, o sabor de certeza com que aborda a Tríade Vienense. Com ele, a música soa verdadeira, “uma revelação mais alta que a filosofia”, como disse Beethoven.

Nesse álbum bem especial, ele vai da “santidade” do Parsifal de Wagner à “orgia erótica” de Moisés e Arão de Schoenberg, passando pelas iluminações de A Cidade do Alto de Messiaen e os mistérios de Répons, do Boulez-compositor.

Tracklist
1 –Orchester der Bayreuther Festspiele
Parsifal : Overture
Composed by – Richard Wagner (10:30)
Lulu –Orchestra of the Opéra de Paris, Teresa Stratas, Kenneth Riegel
Composed by – Alban Berg (7:00)
2 – Interlude (3:06)
3 – Ragtime – English Waltz (3:54)
4 –The Cleveland Orchestra
Ibéria : 3. Le matin d’un jour de fête
Composed by – Claude Debussy (4:17)
5 –The Cleveland Orchestra
Le Sacre du Printemps : Danse sacrale
Composed by – Igor Stravinsky (4:45)
6 –The Chicago Symphony Orchestra
Concerto For Orchestra : 4. Intermezzo interrotto (Allegretto)
Composed by – Béla Bartók (4:04)
7 –Berliner Philharmoniker
Rapsodie espagnole : Habanera
Composed by – Maurice Ravel (3:29)
8 –The Cleveland Orchestra
La Ville d’en haut
Composed by – Olivier Messiaen (9:20)
9 –The Cleveland Orchestra
Symphony No. 7 in E Minor : 3. Scherzo
Composed by – Gustav Mahler (9:08)
10 –John Graham Hall, The Royal Concertgebouw Orchestra*, The Chorus Of The Netherlands Opera*
Moses und Aron : Erotische Orgie
Composed by – Arnold Schoenberg (5:18)
11 –The Cleveland Orchestra
Symphonie fantastique : 2. Un bal (Valse: Allegro non troppo)
Composed by – Hector Berlioz (6:05)
12 –Ensemble Intercontemporain
Répons : Introduction
Composed by – Pierre Boulez (6:24)
13 –Ensemble Intercontemporain, Christine Schäfer, Hidéki Nagano, Dimitri Vassilakis, Frédérique Cambreling
Herzgewächse, Op. 20
Composed by – Arnold Schoenberg (3:10)
14 –The Cleveland Orchestra
Pavane pour une infante défunte
Composed by – Maurice Ravel (6:38)


  • Publicação: Jornal da Tarde (São Paulo / SP – Brasil)
  • Data: Sexta-feira, 26 de maio de 2000
  • Título: Retrato de um artista sempre jovem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *